• Sobre o blog
  • Contato
  • Envie seu texto
  • Blogroll
  • FAQ
  • 02 novembro

    O Raio

    Estava chovendo, os relâmpagos faziam belíssimos desenhos no céu, que estava escuro. Sentia as gotas de chuva enquanto caminhava para o ônibus, voltando para casa. Casa, se é que se pode chamar assim. Um lugar onde minha família deveria morar, mas eles não são minha família. Não me entendem, me julgam, me odeiam.
    – Você não devia ter nascido. – foi o que minha mãe disse para mim, depois de ficar bêbada – Eu te odeio! Me arrependo de ter deixado você nascer.
    Qualquer pessoa normal teria chorado depois de receber um balde de água fria desses, mas estou tão acostumada, que a única coisa que fiz foi virar as costas para ela e caminhar para o meu quarto. Há muito tempo minha mãe bebe desse jeito, para falar a verdade, desde que minha irmã mais nova morreu. Ela tinha seis anos e meus pais me culpam pela morte de sua filha preferida. Sua princesinha. Mas eu não tive culpa. Foi ela quem quis entrar na máquina de lavar, eu nem estava perto. Estava na casa de uma amiga, Luanne estava em casa com meu irmão. Quando cheguei em casa, vi várias viaturas estacionadas na rua toda, meus pais chorando, e meu irmão apontando para mim.
    -Foi tudo culpa dela. Disse á Luanne que era uma brincadeira nova, colocou ela lá dentro e depois saiu correndo! – ele ficava repetindo essa frase toda hora, ela fazia sentido para todos, menos para mim e para Ana, a amiga com a qual eu estava aquele dia, contando histórias e brincando de Barbie Eu tinha onze anos quando me mandaram para o reformatório, dizendo que eu havia matado minha irmã. Meu irmão se safou.
    Procuro esquecer tudo isso, já não faz mais sentido para mim, não faz sentido para ninguém. Desde aquela noite, minha mãe começou a beber, e só parava quando eu chegava da escola e a levava para seu quarto, antes de limpar a bagunça da casa, que parecia pior a cada dia. 
    A chuva estava ficando mais forte, podia sentir os grossos pingos no meu cabelo, que estava muito curto. Todos os dias me confundem com meninos, por causa do cabelo curtíssimo e da falta de curvas, mas sinceramente, desejo todos os dias ter nascido menino, assim pelo menos, eu não precisaria esconder o que sinto.
    Meu irmão, Jonathan, assumiu há dois anos que fazia aulas de balé escondido, mas jurou que não era homossexual. Claro que meus pais não acreditaram. Bem, meu pai, já que minha mãe estava inconsciente. Ele foi preso no dia seguinte. Quando descobriu o segredo de meu irmão,  partiu para a violência. Não bateu só em meu irmão, ele bateu em mim, por mais que eu não tenha feito nada de errado. Uma vizinha fofoqueira viu e chamou a policia. Meu pai foi assassinado na cadeia, quando pagava seus dez anos por agressão e tentativa de homicídio duplo. A vizinha, que se chamava Elena, chamou também o Conselho Tutelar, pois disse que minha mãe não tinha capacidade de criar os dois filhos, mas eles nunca apareceram.
    Quando nasci, meus pais não me queriam, pois já tinham Jonathan, e não precisavam de mais um “fardo” e mais uma boca para alimentar. Quando Luanne nasceu, foi a maior festa. Vieram parentes de todos os lugares para conhecer a princesinha loira da família A única de cabelos cor de ouro, enquanto os meus são de um loiro sujo e feio. Olhei para o ponto de ônibus, e percebi que teria de ir embora á pé. Perdera o único transporte disponível, teria de enfrentar a chuva, que ficava cada vez mais forte e o vento que já fazia as árvores finas se partirem ao meio. E o pior de tudo, é que não poderia ver a garota de cabelos vermelhos. 
    Para falar a verdade, me senti aliviada quando meu pai se fora. Não levaria mais uma surra caso ele descobrisse que gosto de meninas. Sempre gostei, desde criança, mas nunca contei á ninguém, pois sabia que as coisas podiam piorar. E muito. Pretendia contar hoje á ela, que todos os dias pensava em seus olhos verdes, e escrevia canções sobre seus cabelos vermelhos, que pareciam fogo. Chega. Já chega. Não preciso mais disso. Não posso mais suportar isso tudo. Não aguento mais!
    Larguei minha mochila surrada no chão, tirei os sapatos, que já estavam comigo há mais de dois anos, e corri o mais rápido que pude. Sem rumo. Sem saber para onde ia. Sem saber o que faria a seguir.
    Fugi uma vez, quando tinha oito anos, depois de levar uma surra de minha mãe, por ter pego a boneca de Luanne. A boneca mais linda que eu já tinha visto, mas que meus pais se recusaram a comprar para mim. Mas que no outro dia, Luanne ganhou de presente, por ter aprendido o alfabeto completo. Fui parar no parque, meu lugar favorito, o lugar onde eu via famílias felizes com seus cachorros ricos, ricos de amor.
    Percebi que havia parado de correr, e que estava com os olhos fechados. Quando os abri, vi que estava na ponta de um penhasco. Não, não era um penhasco, era o penhasco. O penhasco cuja doze vidas foram tiradas. Doze pessoas se jogaram ou foram jogadas de lá, e todas elas tiveram uma morte instantânea sem dor. Bem, de acordo com os policiais que cuidaram dos casos.
    Queria que alguém me impedisse de fazer o que estava a ponto de fazer. Queria que alguém se importasse comigo, se importasse com o que eu sentia, com o que eu pensava. Com o que eu fazia. Mas essa pessoa não existia. Nunca tive amigos, todos se afastaram quando eu voltei do reformatório, até mesmo Ana, que sabia que eu era inocente.
    – Se me verem andando com você, vou ser excluída para sempre. Desculpa. – Depois disso, ela saiu e foi se juntar a seus novos amigos, que olhavam para mim e davam risadinhas.
    Estava sozinha. Sempre estive, e sempre estarei, esteja eu aqui ou em outro lugar. As pessoas sempre vão fugir. Desejei que um raio iluminasse o céu, para que pelo menos uma vez, eu me sentisse feliz de verdade. Meu desejo foi realizado. Um maravilhoso raio desenhou o céu, se dividindo em várias partes menores, provando que é mais forte que todos nós. Era a coisa mais linda que eu já tinha visto.
    – Lindo… – foi a última coisa que saiu de meus lábios rachados e gelados, antes de meus pés pisarem o vazio e eu despencasse á quinze metros de altura. Foi a primeira vez que eu voei e cai, atingindo o chão, e perdendo a consciência para sempre…
    Texto feitor por: Driely Meira |Blog|
      
    Dayane Nascimento

    23 anos, carioca, estudante de Publicidade e apaixonada por fotografia, moda, decoração e qualquer outra coisa que me faça sorrir. @dayaneassiis

    Deixe uma resposta

    Seu email não será publicado.


    *

    1. Jullya Enrique em 2 de novembro de 2013

      muuuuuito bom *o*
      amor eu sigo aqui faz tempo, e ta cada vez mais bonito
      jubsenrique.blogspot.com pode conferir

    2. gilvonete Carneiro em 2 de novembro de 2013

      saudade do tempo gostei muito do seu blog http://www.gilvonete.com.br/2013/11/blog-post.html

    3. Iasmin Cruz em 3 de novembro de 2013

      Nossa, estou chocada.
      Que história forte, triste, na verdade talvez em meio tanta dor esse fim realmente era a solução, a fuga dos julgamentos, da dor, da tristeza.

      http://www.iasmincruz.com

    4. Malu em 3 de novembro de 2013

      Caramba, que texto lindo, chocante, sabe? Fiquei bastante surpresa com o enredo e com o fim, muito bom! <33

      Beijos, Malu
      http://meninamoderna-blog.blogspot.com.br/

    5. Fortalezajb Iluminada em 3 de novembro de 2013

      Ótimo post!!!
      Venha nos visitar:
      http://meumundorosapynk.blogspot.com.br/
      Beijocas

    6. Ellen Alves em 3 de novembro de 2013

      O final é demais!! Totalmente inesperado! Amei!
      Beijinhos <3

      http://www.momentosassim.com/

    7. Princess Teens em 3 de novembro de 2013

      Adorei o texto, o final é ótimo.

      Beijos, Juliana.
      http://bloggirlpop.blogspot.com.br/

    8. Keith Pappen em 3 de novembro de 2013

      Que texto bom, parabéns para a autora, gostei. Beijão <3

      http://www.detalhesamor.blogspot.com

    9. Natália Sena em 3 de novembro de 2013

      Gostei da foto (apesar de ter medo de raios) e do texto, muito legais.

      PARTICIPE DOS MEUS SORTEIOS: http://rockcomluxo.blogspot.com.br/p/sorteios.html

    10. Lola Mantovani em 3 de novembro de 2013

      Que lindo de certa forma, as vezes o que queremos é que alguém escuto nosso grito abafado e isso não acontece…
      a Drielly escreve muito bem, fiquei presa nessa história
      beijos

    11. Tuanny Lancelotti em 3 de novembro de 2013

      Adorei o texto, me identifiquei de certa forma, também sou "a ovelha negra" da minha família.

      Beijos – http://heytutty.blogspot.com.br

    12. Thais Terra em 3 de novembro de 2013

      Lindo o texto! Adorei *–*

      Não esqueça de participar do sorteio de dois anos do blog, amanhã saíra o resultado! Ainda dá tempo de participar ;)
      http://colorful-mushrooms.blogspot.com.br/2013/09/aniversario-de-2-anos-do-blog-sorteio.html

      http://colorful-mushrooms.blogspot.com.br/

      Beijoos ;*

    13. Pâm Possani em 3 de novembro de 2013

      Que texto mais triste… Lindo, porém muito triste :C
      Poxa… Mas a guria escreve bem mesmo :C
      Parecem ser otemos mesmo :D
      Um beijo
      http://interruptedreamer.blogspot.com.br

    14. Fortalezajb Iluminada em 3 de novembro de 2013

      Ótimo post!!!
      Venha nos visitar:
      http://meumundorosapynk.blogspot.com.br/
      Beijocas

    15. Hilda Maria em 3 de novembro de 2013

      Que lindo , gostei muito do texto *–*

      Beijinhos de Morango ❣

      http://sorriso-jovem.blogspot.com.br

    16. Tamara Teixeira em 3 de novembro de 2013

      Sem palavras! Texto muito triste e ao mesmo tempo muito bom, porque o título é curioso e por um momento pensei que a menina não fosse se jogar do penhasco…

      Sweet Teen

    17. Isabely Rodrigues em 3 de novembro de 2013

      Ficou ótimo ^^
      Gatinha estou sempre atualizando o meu canal do youtube, visite e se gostar se inscreva, beijinhos.
      Canal: http://www.youtube.com/user/isabelyrogrigues
      Blog: http://fasesdegarota.blogspot.com.br/

    18. Leidiana Pereira em 4 de novembro de 2013

      Que texto triste amiga… sério, a menina poderia ter uma histórias diferente… :(
      Mas lendo esse texto, me lembrei de várias pessoas que eu conheço que já passaram por isso, eu já passei pela parte da rejeição e tentei um dia me jogar num penhasco, mas não tive coragem de tirar minha própria vida.
      O texto que a Driely escreveu é lindo, por mais que seja grande, é gostoso de ler… só fiquei triste pela história da menina… :(
      Beijos minha linda. ♥

    19. Adriana Leandro em 4 de novembro de 2013

      Um texto bem triste e com um final mais triste ainda. Pensei que ela fosse encontrar algo bom, mas nunca pensei que fosse se jogar do penhasco. Bjus!

      galerafashion.blogspot.com.br

    20. Juliana Medeiros em 4 de novembro de 2013

      adorei o texto!
      Texto lindo, triste porem lindo… mas quem não tem momentos triste né hahha

      Bjuuu
      Juliana Medeiros
      https://umabonecamasnaodeporcelana.blogspot.com.br

    21. Aline Cuerci em 4 de novembro de 2013

      Nossa que história emocionante. Gostei de como ela escreve e escreve muito bem.
      http://as-coisas-mais-doces.blogspot.com.br/
      Curti a fan page? (www)
      @AlineCuerci
      beijo.

    22. Re_becah em 4 de novembro de 2013

      medooo
      completamente halloween este texto, socorro huahauha

      Muito obrigada por comentar no meu blog!
      Sempre que atualizar me mande um recado no meu blog, que virei aqui comentar! Fica mais fácil para eu não esquecer e sempre estar aqui mantendo contato! ;)

      Beeeijooos, @re_becah

      blogdareh.com.br

      youtube.com/blogdareh

      facebook.com/blogdareh

    23. Carla Wolf em 4 de novembro de 2013

      Nossa que texto forte! Mas eu gostei, muito diferente. Conflitos interiores, histórias que mechem com a gente. Adorei
      vestindo-ideias.blogspot.com.br

    24. Sara Tonini em 4 de novembro de 2013

      Adoreii o texto. Xocante, rs
      Beijos

      BLOG: http://mariasaratonini.blogspot.com.br/
      FAN PAGE: https://www.facebook.com/blogdonamaria

    25. Manyélly em 4 de novembro de 2013

      Olá, tudo joia?!
      Está lindo seu blog, já estou te seguindo…
      Segue o meu tbm, eu iria adorar!!!
      http://manyelly.blogspot.com.br/
      Ah, preciso de outra ajuda. Estou criando meu canal no Youtube,
      poderia me seguir por lá também. Muito em breve terei vídeos lá:
      http://www.youtube.com/hieligracindo
      Agradeço muito pela ajuda!!!
      Sucesso para você!!!
      Bjo

    26. É um ótimo texto, mas achei tão triste.

      http://simpleseagradavel.blogspot.com.br/

    27. Desbravadores de Livros em 4 de novembro de 2013

      Deu até vontade de chorar.
      Que triste.

      Já estou participando do sorteio, quero o resultado logo *O*

      M&N | Desbrava(dores) de Livros

    28. Nah Sodré em 4 de novembro de 2013

      Que texto maravilhoso, da pra sentir na pele um arrepio a cada palavra, cada frase, cada triste acontecimento da menina que sofreu desde criança, com um nascimento indesejado, a morte da irmã que era valorizada pela família, a culpa de algo tão terrível… a vida, nossa… que triste, tão triste que chega a doer… vou visitar o blog da autora! Beijos! :)

    29. Ana Flávia Charra em 4 de novembro de 2013

      Que texto ótimo! Bem emocionante. São leituras como essa que valem a pena. O texto pode ter o tamanho que for, tem leituras que valem totalmente a pena!
      PS: Adorei a imagem. Acho os raios fascinantes. Apesar de bem perigosos, são lindos.

      Beijos, Ana <3
      Senhorita Juventude

    30. em 4 de novembro de 2013

      Amei o texto seu blog é super fofo, bjs.
      http://www.girlsteensgn.blogspot.com.br

      entre, conheça e siga.

    31. Claudiane Diniz em 5 de novembro de 2013

      Nossa , que texto =O

      Tem sorteio de um perfume maravilhoso no blog , participa lá =)

      claudiniz.blogspot.com.br

    32. princessandfashion em 5 de novembro de 2013

      Texto ótimo! o final então foi excelente!
      beijo grande!

      http://princessandfashion.wordpress.com

    33. Helena Campos em 5 de novembro de 2013

      Mas hoje estou só lendo texto maravilhosos nos blogs eiin?!! Esse não é diferente, eu amei!!!

      Beijos:*

      http://www.bloghelenacampos.com

    34. José Agenor em 5 de novembro de 2013
    35. Barbie Californiana em 5 de novembro de 2013

      Você escreve muito bem, flor… amei o texto. beijinhos

    36. Lolla Rodrigues em 5 de novembro de 2013

      Nossa, quem me dera escrever tão bem assim, amei o texto *-*

      Beijos,
      Lolla

      redlipsandiamonds.blogspot.com.br

    37. Ke em 5 de novembro de 2013

      nosssa vc arrasouuuu :o
      beijos, post novo vemmmm

      http://pedacosdelembrancas.blogspot.com.br/

    38. Jessica Mendes em 5 de novembro de 2013

      Nossa, amei o texto e o final dele foi de arrepiar.
      Fazia tempo que eu não vinha por aqui, estava enfrentando problemas sérios na internet daqui de casa, mas já está normal agora <3
      http://www.valeuapenaesperar.com/

    39. Fashion Jacket em 5 de novembro de 2013

      Ameeei o texto!!!

      Beijos

      Jéssica
      Fashion Jacket – http://www.fashionjacket.com.br

    40. Jéssica Coelho em 5 de novembro de 2013

      Lindo texto amei o finallll

      Beijos Jéssica R. Coelho BLOG

    41. Marcela Miranda em 5 de novembro de 2013

      Que texto perfeito, amando <333
      Beijinhos.

      Dearitgirl.blogspot.com.br

    42. Nath Lambert em 5 de novembro de 2013

      O texto é lindo e emocionante! Senti completamente o clima <3

      Beijos!
      http://www.nathlambert.blogspot.com

    43. Ana Luiza Palhares em 6 de novembro de 2013

      Achei incrível seu texto. Super inspirador.

      http://www.cindereladementira.com.br

    44. Suzana em 6 de novembro de 2013

      Que texto incrível! Confesso que o tamanho , de primeira, me assusto, mas fui lendo e terminei tão rápido… Quem o escreveu realmente merece meus parabéns!

    45. Gabriela Gomes em 6 de novembro de 2013

      Que texto mais triste e mais emocionante esse, deve ser bem complicado ter uma vida assim, nessas horas me sinto uma idiota, muitas vezes fico triste ou achando que minha vida não é boa por causa de besteiras, sendo que realmente tem gente que sofre mesmo por (muitos) motivos bem piores. Adorei o texto, super bem escrito, me emocionou!
      obs: passei uns dias sem passar por aqui devido a falta de tempo, mas agora que me sobrou um tempinho vim correndo e já dei uma olhada e comentei nos outros posts ;*
      http://www.espacegirl.com

    46. Jhessica Carvalho em 7 de novembro de 2013

      Nossa, achei o começo bem perturbador '-' então…. quem está contando a história é um fantasma? (tipo entrando no texto né ) fiquei triste, por que essa é uma realidade que atinge muitas familias, os pais ficam com esse preconceito com os outros filhos dando valor somente a um ou dois, e sempre acaba em coisas ruins, ou seja no caso dela :c

      –>inocentementeingenua.blogspot.com.br

    47. Jessiiiih =) em 7 de novembro de 2013

      Nossa gostei do texto, diferente
      http://umagarotacitouu.blogspot.com.br/

    48. Marcelle Pires em 7 de novembro de 2013

      cara esse texto me deixou triste
      estou passando por muitas situações ruins a ponta de me ver em frente a uma ponte uns dias atras
      ler isso me deixou triste day triste mesmo

      • Marcelle Pires em 7 de novembro de 2013

        sei que foi outra pessoa que escreveu e que é ficticio mas ainda assim

      • Dayane em 11 de novembro de 2013

        Não fica triste não, é só uma história, mas toca na gente né, mas não da bola para os problemas não, todas nós passamos por situações que não são boas, mas a vida segue e no futuro você vai ver que o que você está passando agora,te deixou mais forte!!

    49. Nequéren Reis em 7 de novembro de 2013

      Olá!!!, Deus te abençoe boa tarde, amiga blog maravilhoso
      não gostei do texto mais bem falado sucesso amiga.
      Blog: http://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br
      Grupo: https://www.facebook.com/groups/1432950500258717/

    50. sammy rothschild em 8 de novembro de 2013

      Que texto impactante! Triste mas tem sua beleza, gostei!

      http://ladiabolique.blogspot.com

    51. Garotas Comuns em 9 de novembro de 2013

      O final realmente foi muito triste. As vezes, as pessoas só encontram esse tipo de saída para tudo que acontece, é realmente triste, mas a verdade :/

      Mas enfim, foi um texto bom!
      Beijos, Garotas Comuns

    52. Camille em 9 de novembro de 2013

      vc que escreveu? que talento!
      bjs

    53. Francielle Couto Santos em 10 de novembro de 2013

      Gente, que texto incrível! Muito denso e envolvente. Adorei!

      Um abraço!
      http://universoliterario.blogspot.com.br/

    54. Maressa de Sousa em 10 de novembro de 2013

      Eei flor, não sabia que estava recebendo texto, é uma ótima ideia :)
      Gostei muito desse texto, a narração não é muito "floreada" nem nada. E o final é bem forte.

      (desconstruindoaspalavras.blogspot.com.br)

    55. Joice N. em 10 de novembro de 2013

      Uau, fiquei arrepiada aqui! Adorei o texto, muito bem escrito e envolvente. A autora está de parabéns!
      Adoro essa sua sessão de textos que as pessoas mandam. haha
      Beijinhos ♥
      http://mydreamsofasummernight.blogspot.com.br/