Posts de 8 de junho de 2016
08.jun.16
Textos de leitores Textos e Literatura

Mãe, eu não vou embora!

texto-mae-eu-nao-vou-embora-blog-conversando-com-a-lua-nati-pereira-santa-tereza-parque-das-ruinas-ensaio-fotografico

Preste atenção em como ela se dedica pra você, faz tudo o que você quer dentro das possibilidades dela. Se dobra e desdobra para que fique feliz, mesmo quando ela está triste. O quanto suas mãos estão cheias de calos de tanto trabalhar para te dar o melhor, além de tudo o que você pede.

Por mais que você diga que a obrigação é dela de te sustentar:
Quantas mães parem seus filhos e abandonam?
Quantas mães casam e antes de ganhar são abandonadas pelos parceiros?
Quantas mães não tem condições de criar seus filhos e mesmo assim continuam com eles?
Quantas mães são mães de verdade?

Se você fosse sua mãe, gostaria de se ter como filho?

Olhar ao redor, valorizar o esforço diário de engolir sapos, de não ter apoio nenhum de ninguém e ter que saber criar crianças sendo mãe de primeira viagem, não é fácil. Não pedimos piedade, pena, não estamos mendigando holofotes e sim apenas, que abram os olhos e respeitem todas as mães, mesmo elas não sendo sua.

Todos nós vamos crescer, vamos querer um espaço só nosso, isso mesmo, iremos morar sozinhos ou casaremos direto, sem experimentar como é morar sozinho, enfim. A maioria não vai e nem quer mais morar com a mãe, porém essas pessoas não pensam em como suas mães se sentem, o que elas acham disso e se vale a pena magoar nossa mãe pra ser maria vai com as outras.

Perceba que enquanto as amigas dela estavam conquistando o mundo, ela estava te embalando. Enquanto você estava comendo, ela poderia estar com fome para te alimentar. Enquanto você estava bem vestido, ela estava usando roupas de anos atrás. Enquanto você estava doente, quem estava acordada cuidando de você, era, é e sempre será ela, mesmo você tendo 10, 20, 30, 100 anos, porque enquanto ela estiver viva, vai estar do seu lado pro que der e vier.

Nas horas mais difíceis da sua vida, quem vai estar com você na ruim e na boa é a sua mãe. Então não jogue fora todo o tempo que ela deu pra você com todo o amor e carinho, te cuidando, moldando-te para que se torne uma pessoa do bem, sem vícios, sem pedir nada em troca. Na verdade ela queria sim algo em troca, o teu sorriso, a tua felicidade e que mesmo longe, tu sempre estivesse e ficasse bem.

Então, quando você casar, constituir família com outra pessoa, ir morar sozinho, decidir sair da casa da sua mãe, não abandone-a, não troque-a por festas, por amigos que não são amigos de verdade, por coisas fúteis e banais, por pessoas que hoje estão aqui e amanhã não se sabe, porque ela só vai te abandonar no dia que falecer.

Não “jogue-a” em um asilo, por não ter tempo, não ter condições, não saber lidar com ela, entre outras desculpas esfarrapadas que escutamos por aí, porque quando ela teve que cumprir o papel dela, ela estava ali o tempo todo, mesmo sem saber direito o que fazer, nunca te abandonou e você não pode e nem tem o direito de fazer isso. Não esqueça que tem mãe.

Não existe apenas gratidão, existe amor e é incondicional.

– não cito pai, porque na maioria das famílias (pessoas que moram com você) eles não são presentes.
– repito muitas vezes a palavra enquanto, porque vivemos o enquanto não morrermos.


 Texto feitor por: Natália Pereira|Blog|
Envie seu texto, clique aqui para saber mais.

Veja também